Sentença

Tem um tempo que te vejo aqui…
A sair dos meus pensamentos e flutuar…
Um sonho viajou…viajou e nunca chegou,
Talvez alguém o tenha vivido…
Talvez um coração tenha se partido!
Pode ser que o anjo não deu ouvidos…
A reta de tão certa nunca me trouxe nada;além do que eu podia enxergar…
Enxergamos tao pouco…
Quase feliz,
Quase louco,
Rouco de gritar o seu nome…JF

_DSF2395 FA
Foto João Ferraz

Não gosto de você, Papai Noel! – Ademar Paiva

Foto João Ferraz
_DSF2315 FA

Não gosto de você, Papai Noel!
Também não gosto desse seu papel
de vender ilusões à burguesia.
Se os garotos humildes da cidade
soubessem do seu ódio à humildade,
jogavam pedras nessa fantasia!

Você talvez nem se recorde mais.
Cresci depressa e me tornei rapaz,
sem esquecer no entanto o que passou.
Fiz-lhe bilhete pedindo um presente,
a noite inteira eu esperei contente,
chegou o sol e você não chegou.

Dias depois, meu pobre pai cansado
trouxe um trenzinho velho, empoeirado,
que me entregou com certa hesitação.
Fechou os olhos e balbuciou:
“É pra você… Papai Noel mandou…”
E se esquivou contendo a emoção.

Alegre e inocente nesse caso,
pensei que meu bilhete com atraso
chegara às suas mãos no fim do mês.
Limpei o trem, dei corda, ele partiu,
deu muitas voltas, meu pai sorriu
e me abraçou pela última vez.

O resto só eu pude compreender
quando cresci e comecei a ver
todas as coisas com realidade.
Meu pai chegou um dia e disse, a medo:
“Onde é que está aquele seu brinquedo?
Eu vou trocar por outro na cidade”.

Dei-lhe o trenzinho quase a soluçar,
e como quem não quer abandonar
um mimo que lhe deu quem lhe quer bem,
disse medroso: “Eu só queria ele…
Não quero outro brinquedo, quero aquele
E por favor, não vá levar meu trem”.

Meu pai calou-se e pelo rosto veio
descendo um pranto que eu ainda creio,
tão puro e santo, só Jesus chorou.
Bateu a porta com muito ruído,
mamãe gritou, ele não deu ouvidos,
saiu correndo e nunca mais voltou.

Você, Papai Noel, me transformou
num homem que a infância arruinou,
Sem pai e sem brinquedos. Afinal,
dos seus presentes, não há um que sobre
para a riqueza do menino pobre
que sonha o ano inteiro com o Natal!

Meu pobre pai doente, mal vestido,
pra não me ver assim desiludido,
comprou por qualquer preço uma ilusão:
num gesto nobre, humano, decisivo,
foi longe pra trazer-me um lenitivo,
roubando o trem do filho do patrão.

Pensei que viajara. No entanto
depois de grande, minha mãe, em pranto,
contou que fora preso. E como réu,
ninguém a absolvê-lo se atrevia.
Foi definhando, até que Deus um dia
entrou na cela e o libertou pro céu!

……………..

Foto João Ferraz
_DSF2127 FA

E hoje eu percebi que o desprezo que eu sinto pelas construções sobrepostas que compõem meu mundo é um desprezo pelo acúmulo desnecessário. Pra que mais ideias e teorias em um ambiente tão saturado?
E ai me dizem que estão tentando entender o mundo. Entender o mundo de quem, pra quem? Parece uma tentativa de validar a continuação do modelo. Uma bela validação, mas uma validação que mata, uma validação que ignora boa parte do que compõe o planeta. Esse lugar precisa da minha ajuda? Não.
Mas eu não pertenço a outro lugar, sou dai. Quem sou eu pra querer modificar algo fora disso?
Se não faço parte, não entendo de verdade, se não entendo de verdade não tenho nenhuma grande solução.
E ai?
Vou maltratando as pessoas, criticando e criticando e criticando. É uma cobrança sincera, se não fizermos algo no mínimo próximo do melhor possível, por que fazer? E nesse caminho vão ficando pedaços meus também.
Se são ruins os tiros à queima roupa uma vez por dia, imagina o que eu faço comigo mesmo ao longo dos meses.
Ao longo dos anos.
E ai que eu não sofro mais. Ficou pra trás. Do buraco no peito sai flor – sai mesmo, pode acreditar.
Meio torta, meio murcha, mas é flor de amor.
Ainda não sei como fazer, provavelmente nunca vou descobrir. Vou colocando em ordem o que caiu no chão,
vou desfazendo a mala, porque na última viagem a gente não leva nada.
ALEXANDRE-4 b;og
Alexandre Ferraz (cursa letras na UNESP de Araraquara sp)

Sociedade!

Vida social!
Vida longe do mal!
Com Papai Noel, Shopping e Natal!
Com viagens e cerimonial!
Vidas repetidas no sal!
Tristezas encobertas… nada mal!
O preço vem depois do sorriso louco,
vazio como um oco…
Aprisiona de leve e leva tudo…
(João Ferraz)

_DSF1969-2
Foto João Ferraz